VOCÊ NÃO QUER DROGAS

04/03/2016 by in category Textos with 0 and 0

Interlocutor: Usar drogas é um bem que acaba me fazendo mal.

— Quando você diz “usar drogas é um bem”, que tipo de bem você se refere? Que bem que você experimenta ou acredita que irá experimentar usando drogas?

Interlocutor: Prazer

— Ótimo! Sendo assim, imagine que você está prestes a usar drogas para experimentar prazer. Daí aparece uma fada com uma varinha de condão e faz plim em você. Na hora que você recebe o plim da varinha de condão, imediatamente você experimenta o prazer que estava desejando experimentar, porém sem a necessidade de consumir a droga, de fumá-la, ou bebê-la, etc. Seu desejo foi satisfeito?

Interlocutor: Sim, foi.

— Sendo assim, percebe que seu OBJETIVO ao consumir uma droga não é consumir a droga, mas experimentar o prazer?

Interlocutor: Sim, percebo.

— A droga consumida é apenas o OBJETO que você está usando para atingir seu OBJETIVO: experimentar prazer. Entende isto?

Interlocutor: Sim. O que quero é prazer. Uso a droga para ter prazer.

— Então, se experimentar prazer é bom, por que você diz que usar drogas é mal?

Interlocutor: O prazer que experimento me faz bem, mas o meio que uso me faz mal.

— Me explique qual é o maleficio?

Interlocutor: Usar drogas me deixa doente.

— E você quer ficar doente?

Interlocutor: Não, ficar doente me dá mal estar.

— Sendo que você não quer ficar doente, o que você quer?

Interlocutor: Quero saúde.

— Pronto! Você acabou de descobrir por si mesmo 2 dos 4 desejos humanos. (1) Todo ser humano deseja prazer. (2) Todo ser humano deseja bem estar (saúde). É por isto que usar drogas e bem e mal ao mesmo tempo. Usar drogas satisfaz seu desejo de prazer, porém, prejudica seu desejo por saúde.

Interlocutor: Mas eu desejo prazer. E para ter prazer, uso drogas. Mas quando uso drogas fico doente e isso eu não quero. Portanto, paro de usar drogas. Mas quando paro de usar drogas, sinto desprazer e isso eu não quero. Quero prazer. E para ter prazer eu volto a usar drogas… Fica um looping. Entende?

— Sim, entendo. Só que o motivo desse looping não é o desejo, é a confusão entre desejo e objeto de desejo. Você deseja o OBJETIVO e não o objeto. Só que você ignora isso. Você acredita que deseja o OBJETO. É esse equívoco que lhe mantém preso no looping.

Interlocutor: Vamos supor que eu perceba meus dois objetivos: prazer e bem estar. Vamos supor que eu perceba que os objetos são apenas meios para atingir meus dois objetivos. Ainda assim, não existe a tal fada madrinha que surge do nada para satisfazer meus dois objetivos. Então, tenho que ir em direção aos objetos. Mas sendo que um atrapalha o outro, como é possível o fim do looping?

— Uma vez consciente do equívoco objeto-objetivo, basta você procurar um OBJETO que, no seu caso específico, satisfaça seus dois objetivos simultaneamente. Nesse exemplo das drogas, seus dois objetivos são prazer (bom) e saúde (bem). Você quer o Bom e o Bem. Sendo assim, a pergunta que você PODE e DEVE se fazer é: “Qual é o OBJETO capaz de satisfazer simultaneamente meu desejo pelo Bom e pelo Bem?” Encontrada a resposta, fim do looping.

© 2018 · 1FICINA · Marcelo Ferrari