*Os livros estão na ordem de leitura recomendada.

Se um psicopata quer matar alguém e mata, está vivendo autoísta?

27/04/2022 by in category Democracia universal, Egoísmo, Perguntas tagged as , , with 0 and 0

Se você quer matar uma barata e mata, você está vivendo autoísta?

INTERLOCUTOR: Uma pessoa não é uma barata.

Sim, mas em ambos os casos você está vivendo do mesmo jeito, fazendo o que quer. Viver autoísta é isso, viver em acordo com a própria vontade. Claro que a convivência com um ser humano é diferente da convivência com uma barata e a percepção disso tem implicações fundamentais na qualidade da sua convivência, mas daí é uma questão de convivência e não de vivência.

INTERLOCUTOR: Boa convivência é impossível quando pensamos em indivíduos tipo os psicopatas.

É IMPOSSÍVEL viver autoísta sem LUCIDEZ e MAESTRIA. Não adianta baixar um decreto dizendo: “A partir de agora todos são autoístas e vivem autoístas”. Se isso fosse possível, a 1ficina faria isso no primeiro dia de ciclo de estudos, não se dava ao trabalho de passar 10 meses explicando o óbvio para retirar você da ignorância.

Um psicopata não quer matar ninguém. O desejo dele é outro. Matar é ESTRATÉGIA. Só que o psicopata está em estado de ignorância e ignora isso. Se o psicopata desperta a consciência, ele entende tudo isso. Entende que pode usar outra estratégia e, além de viver bem, conviver bem.

Não é o autoísmo que produz bem viver e boa convivência, o que produz bem viver e boa convivência é LUCIDEZ e MAESTRIA em ser humano. Mas todo indivíduo lúcido vive em acordo com a própria unicidade, pois é óbvio que essa é a melhor opção.

É comum 1ficineiros se obrigarem a viver autoístas e acreditarem que a 1ficina está propondo MAIS UM CÓDIGO MORAL de como viver. Isso é um equívoco. A 1ficina não propõe nada, apenas explica o óbvio.

É óbvio que só tem 2 jeitos de você viver: em autorrealização ou em autonegação. É óbvio que autonegação produz mal viver e má convivência e autorrealização produz bem viver e boa convivência. O trabalho da 1ficina é explicar isso. O resto é arbítrio de cada um.

INTERLOCUTOR: O autoísmo é fácil de entender como melhor opção para o próprio indivíduo, mas o autoísmo coletivo como melhor opção para convivência é mais difícil de aceitar, pois, não pode ser testado e está longe de ser, então, não é óbvio para gente.

Não, não é por isso não. O problema é que todos querem viver livremente, serem quem são, viver em acordo com sua vontade, mas não querem que o outro tenha a mesma liberdade. Ou seja, boa convivência é quando você faz o que eu quero, quando eu faço o que você quer, é má convivência. Essa é a mentalidade outroísta impositiva.

© 2021 • 1FICINA • Marcelo Ferrari