*Os livros estão na ordem de leitura recomendada.

Preciso ter sangue de barata para viver bem?

03/03/2022 by in category Perguntas, Realidade multimídia tagged as , , with 0 and 0

PERGUNTA COMPLETA: Para ver um fato como fato preciso ter sangue de barata. Então, para viver bem tenho que remover as emoções? Ser frio? Ser equânime?

É comum as pessoas me qualificarem como “frio”, “insensível” ou outro adjetivo que remeta a ausência de emoção. Imagina dizer para uma pessoa com câncer e outra que não dormiu porque o filho drogado quebrou a casa inteira, que tudo isso é só um fato. Total ausência de sentimento e empatia, não é? Sim, sei que parece isso. Mas não é isso. Eu sinto emoções como todo ser humano e tenho empatia pela dor alheia, mas observo minhas emoções e as alheias como um cientista observa as ondas do mar, não como uma pessoa se afogando.

O SÁBIO FLUTUA NO MESMO OCEANO QUE O IGNORANTE SE AFOGA.

Discernimento não é bloquear as emoções, é experimentá-las, porém, com lucidez sobre a realidade multimídia. Quando você se permite experimentar suas emoções com o propósito de estudá-las, elas ficam até mais fortes, mas você está consciencialmente forte também, então, você entra nas emoções como quem entra em um furacão, mas não sai rodopiando para todo lado, você fica no olho do furacão observando o fluxo. Quem vê você de fora pensa que você é frio e não tem empatia, mas é o contrário, você está fervendo e empático, só que está vivenciando o fluxo de emoções com lucidez, sem confundir significante e significado, por isso está vivendo bem e convivendo bem.

Algumas escolas de meditação chamam isso de “equanimidade”. Quando um aluno lê sobre equanimidade, ele tenta praticar a equanimidade através do arbítrio, optando pela equanimidade. Não funciona, vira negação e repressão. A equanimidade só funciona quando o aluno usa o arbítrio para praticar o discernimento entre realidade objetiva, simulada e significativa. O discernimento retira o aluno da confusão, uma vez fora da confusão a equanimidade acontece automaticamente.

© 2021 • 1FICINA • Marcelo Ferrari