PORTAS FECHADAS

05/10/2019 by in category Textos tagged as with 0 and 0

O mestre deixou uma tarefa para o seu discípulo antes de viajar: “Sabe aquela pedra enorme que fica atrás da sua casa? Quero que você acorde cedo todas as manhãs e empurre-a o dia inteiro. Faça chuva ou faça sol, nunca pare de empurrá-la. Empurre-a com toda sua força e toda a sua vontade”.

No dia seguinte, o discípulo acordou cedo e começou a empurrar a pedra. Só que a pedra era muito grande e não se movia nem um milímetro. No dia seguinte, empurrou mais forte. Mas nada da pedra se mover. No dia seguinte, empurrou mais forte ainda. Todo dia ele empurrava a pedra com mais força, só que a pedra não se mexia. Depois de passar três anos empurrando uma pedra que não se mexia e sem notícias do seu mestre, concluiu que seu esforço havia sido em vão e desistiu.

No dia seguinte, o mestre voltou de viagem. Já era quase meio dia e o discípulo ainda estava dormindo. O mestre acordou o discípulo e o questionou: “Esqueceu da tarefa que lhe dei antes de viajar? Por que não está empurrando a pedra como lhe pedi?”. O discípulo respondeu: “Mestre, passei três anos empurrando aquela pedra, de manhã até de noite, com todas as minhas forças, cada vez mais forte, como você me pediu, só que a pedra não se moveu um milímetro sequer! Por isso, desisti”.

O mestre disse ao discípulo: “Você entendeu errado a tarefa! Eu não pedi para que movesse a pedra, pedi apenas para que a empurrasse. Seus braços estão fortes e musculosos. Suas costas estão largas. Suas mãos estão curtidas. Suas pernas se tornaram firmes. Tudo isso porque você se exercitou empurrando a pedra! De que vale mover uma pedra? Não vale nada! Agora olhe para você! Você se desenvolveu, se superou e se autorrealizou. Isso sim é valioso!”.

Essa metáfora ilustra um equívoco que (provavelmente) você vem cometendo desde sempre. Você tem gratidão pelas portas abertas, ou seja, por tudo de bom e por tudo que deu certo na sua vida, mas tem mágoa das portas fechadas, ou seja, de tudo de ruim e de tudo que deu errado. Só que deveria ser o contrário.

Portas abertas é vida boa, vida sem ruim, sem infortúnio, sem problemas. Vida boa só serve para criar pessoas preguiçosas, tolas e mimadas. Pessoas incapazes de resolver problemas, incapazes de lidar bem com frustrações, infortúnios, rejeições, contrariedades e mosquitos. Enfim, pessoas incapazes de viver bem quando a vida está ruim.

Vida boa não te faz levantar e andar, pelo contrário, te mantém engatinhando no chão feito neném. É o ruim que te faz ficar bom. Maestria não é um produto de portas abertas, é produto de portas fechadas. Basta você olhar para qualquer competência sua e verá que é fruto de portas fechadas.

Porta aberta te fecha, porta fechada te abre. Demora um tempo para você entender isso. E, enquanto não entende, a falta de entendimento te faz viver na lamúria e na mágoa, reclamando das portas fechadas e das pedras no meio do caminho. Acreditando que portas fechadas são castigo, azar, etc.

Quando você entende que portas fechadas são uma benção: fim da mágoa! Você cai de joelhos arrependido da sua ignorância e acende velas de gratidão para cada uma das portas que lhe foram fechadas. Nesse dia, finalmente, a porta do bem viver se abre para você.

© 2018 · 1FICINA · Marcelo Ferrari