LIVROS

*Os livros estão na ordem de leitura recomendada.


LIVROS EXTRAS

O insulto

18/05/2021 by in category Filmes with 0 and 0

ANÁLISE AUTOCIENTÍFICA DO FILME O INSULTO

O que é justo? O que é injusto?

Se justo e injusto fossem absolutos, não haveria conflito por justiça no mundo, pois não haveria divergência sobre a ação justa e a ação injusta. Toda ação justa seria visivelmente e incontestavelmente justa. Toda ação injusta seria visivelmente e incontestavelmente injusta. Não haveria necessidade de tribunais, nem de leis e sistemas judiciários.

Contudo, cada dia as leis e os processos judiciais aumentam nas sociedades humanas. Por que? Porque justo e injusto não são absolutos, são definições humanas, mentais e particulares. Ou seja, cada cabeça é uma sentença, pois cada um tem um critério pessoal do que é justo e injusto, assim como cada um tem um critério pessoal do que é feio e bonito.

No filme Carandiru, que mostra a saga do Dr Drauzio Varella interagindo com os prisioneiros do presídio, todos os prisioneiros tem justificativas para os seus crimes. O Dr Drauzio Varella observa isso e comenta isso com outro médico. Seu interlocutor lhe responde: “Você ainda não percebeu que todos os prisioneiros aqui dentro são inocentes?”.

Justo e injusto são atribuições pessoais. O que eu considero justo, você pode considerar injusto e vice-versa. E até aí tudo bem. É assim que funciona. O problema é ignorar como funciona e partir em busca de justiça. Sendo que justo e injusto é particular, buscar justiça se torna uma tentativa de estabelecer algo particular como absoluto, ou seja, se torna uma tirania.

É isso o que acontece no filme O Insulto e em todos os tribunais de justiça. Tonny Hanna, o personagem libanês, quer justiça. Mas qual justiça? Baseada em qual critério de justo e injusto? Certamente Tonny Hanna não está buscando justiça baseado no mesmo critério que Yasser Abdallah, o personagem palestino.

“Como fazer justiça sendo que justo e injusto é particular?”, você pode estar se perguntando. O filme O Insulto, embora trate da questão do justo e do injusto, do certo e do errado, do culpado e do inocente, faz uma pergunta muito mais fundamental do que essa. O filme pergunta: “O que você prefere, estar certo ou ser feliz?”.

A princípio, Tonny Hanna e Yasser preferiram estar certos, mas não lucraram nada com isso, muito pelo contrário, a vida de ambos virou um inferno. Por fim, optaram por serem felizes ao invés de estarem certos, e foi isso que aconteceu, felizes foram.

© 2021 · 1FICINA · Marcelo Ferrari