LIVRE CLICK

25/05/2016 by in category Livros with 0 and 0

01 | LIBERDADE É LIMITE

Liberdade é limite. Mas atenção, pois não estou dizendo que liberdade “tem” limite, estou dizendo que liberdade “é” limite. Assim como seis é meia dúzia, liberdade é limite. Seis e meia dúzia são duas palavras diferentes, mas que entendemos como sendo de igual significado, ou seja, sinônimos. Limite e liberdade são duas palavras diferentes, mas que entendemos como sendo de significados opostos, ou seja, antônimos. Então, segundo a lógica habitual, dizer que liberdade é limite, é uma contradição. É o mesmo que afirmar que aberto é fechado, que seco é molhado, que calor é frio. Esse é o obstáculo para entender o que é liberdade.

Significado funciona por antônimos. É impossível entender aberto senão como antônimo de fechado, seco senão como antônimo de molhado, calor senão como antônimo de frio e liberdade senão como antônimo de limite. Ao igualar liberdade com limite, liberdade fica sem antônimo, e por ficar sem antônimo, fica sem sentido, sem significado. Mas igualar liberdade com limite não faz com que liberdade perca o significado, faz com que mude de significado. E também não faz com que liberdade perca o antônimo, faz com que mude de antônimo. Sendo que liberdade é limite, o antônimo de liberdade é o mesmo antônimo de limite: ilimitado (sem limite).


02 | RESOLVENDO O PROBLEMA

Entender que liberdade é limite faz você parar de tropeçar em uma oposição que não existe, resolve o problema esclarecendo que não existe problema. Vamos ver alguns exemplos para deixar isso evidente:

Qual é seu limite de crédito bancário?
Vamos supor que seja 10 centavos.
Você tem liberdade para gastar 1 centavo além?
Não tem! E por que não tem?
Porque liberdade é limite.

Qual é seu limite de visão?
Vamos supor que seja 500 metros.
Você tem liberdade para enxergar 1 milímetro além?
Não tem! E por que não tem?
Porque liberdade é limite.

Qual é seu limite de camisas?
Vamos supor que duas: uma branca e outra preta.
Você tem liberdade de vestir uma camisa azul?
Não tem! E por que não tem?
Porque liberdade é limite.

Qual é o limite do seu corpo?
Exatamente o corpo que você tem.
Você tem liberdade para ter corpo além do seu corpo?
Não tem! E por que não tem?
Porque liberdade é limite.


03 | TAMANHO DA LIBERDADE

Imagine que você é Aladim e acabou de encontrar a famosa lâmpada. Você esfrega a lâmpada e o gênio lhe diz: “Seu desejo é uma ordem”. Usando essa metáfora, qual é o tamanho da sua liberdade? Ou seja, qual é seu limite de opções? Sendo que você pode pedir o que quiser, sua resposta provavelmente é que você não tem limite de opções, que seu limite é ilimitado. Você pode pedir um palito de dente, duzentos carros, mil canetas, uma máquina de fazer dinheiro, um tapete voador, etc. Você também pode pedir para o gênio transformar um elefante em uma ervilha ou dar nó em pingo d’água. Enfim, você pode pedir qualquer coisa, logo, parece evidente que suas opções de pedido são ilimitadas, ou seja, parece evidente que sua liberdade é ilimitada.

Acreditar que sua liberdade de opções é ilimitada é quase inevitável, mas é um equívoco, pois por mais criativo que você seja para imaginar opções, sua liberdade de opções não tem como ir além da sua imaginação. Você pode pedir ao gênio qualquer opção que conseguir imaginar, mas é incapaz de pedir algo que não consegue imaginar. Seu limite de opções é do tamanho da sua imaginação. Liberdade é do tamanho da imaginação.


04 | NATUREZA DA LIBERDADE

O entendimento de que liberdade é do tamanho da imaginação tem várias implicações de natureza coletiva e particular. Por exemplo:

IMPLICAÇÕES COLETIVAS

Sendo que sua imaginação é humana, sua liberdade também é humana.
Sendo que sua imaginação é inconstante, sua liberdade também é inconstante.
Sendo que sua imaginação é imprevisível, sua liberdade também é imprevisível.

IMPLICAÇÕES PARTICULARES

Sendo que imaginação é particular, liberdade também é particular.
Sendo que sua imaginação é diferente da imaginação do outro,
sua liberdade também é diferente da liberdade do outro.


05 | LIVRE CLICK

Liberdade é uma coisa e livre arbítrio é outra. Vamos usar outra metáfora para entender isso. Sendo que sua liberdade é do tamanho da sua imaginação, vamos fazer de conta que sua liberdade é a imagem que está na tela do seu computador quando você está na internet. Usando essa metáfora, o que é liberdade e o que é livre arbítrio? Liberdade são todas as opções que estão na tela do seu computador. O que é livre arbítrio? É clicar numa opção. Liberdade é limite de opções. Livre arbítrio é optar.

Por isto que livre arbítrio é sempre 100%. Não importa se sua liberdade é de um milhão de opções ou apenas duas opções, em qualquer caso, em qualquer limite, em qualquer tamanho de liberdade, seu livre arbítrio é sempre o mesmo: optar (clicar). Livre arbítrio é livre click. Não tem meio click. Click é sempre 100%. E não adianta dizer: “Eu cliquei por hábito, fui condicionado a clicar, logo, não cliquei, não optei”. Claro que optou (clicou). Tanto optou que experimentou a opção optada.


06 | ARBÍTRIO É ACREDITAR

Tem pessoas que acreditam que existe livre arbítrio e tem pessoas que não acreditam. Essa divergência produz bastante debate filosófico desde muito tempo. Porém, esse debate é um equívoco, pois é impossível acreditar em livre arbítrio. E por que? Porque livre arbítrio é acreditar. Mais uma vez o problema é com as palavras. Livre arbítrio = livre acreditar. Dizer “eu não acredito em livre arbítrio” é o mesmo que dizer “eu não acredito em acreditar”. O problema filosófico do arbítrio não é filosófico, é semântico. Provavelmente a palavra “arbítrio” surgiu do contexto religioso e a palavra “acreditar” vem do contexto coloquial. O principal é constatar que são sinônimos. Você pode acreditar muito, pouco, nada, com o pé atrás, com o pé na frente, com o pé nas costas, nisso, naquilo. Enfim, você é livre para acreditar. E se você não acredita no que estou dizendo. Pronto! Eis a prova!


07 | CRIAÇÃO É CLICAÇÃO

Como você faz café? Você fica olhando para o pó de café e fica esperando ver o café ficar pronto para acreditar? Ou você acredita na criação do café, coloca em prática sua crença e vê o café ficando pronto? Todo dia, ao fazer café, você crê para ver. Você acredita na ideia de pegar o coador no armário (clica nessa ideia). Você acredita na ideia de colocar o pó no coador (clica nessa ideia). Você acredita na ideia de colocar água quente no coador (clica nessa ideia). Enfim, você acredita numa porção de ideias, coloca essas ideias em prática e por isso vê o café sendo feito. Nada do que você experimenta é criado através do método científico (ver para crer), criação é fé (crer para ver). Crer é clicar. Então, criação é clicação.


08 | TESTEMUNHA DA FÉ

Através da ciência você testemunha sua realidade, comprova sua realidade, mede sua realidade, categoriza sua realidade, mas não fabrica nenhuma realidade. Por que não? Porque ciência é VER PARA CRER e criar é CRER PARA VER. Ciência é ver e analisar o produto fabricado, não é fabricar. Fabricar realidade é um ato de fé. Criação é acreditação. Ciência é testemunha da fé. Por isso quando você acredita que é capaz, você experimenta sua capacidade realizada, e quando acredita que é incapaz, você experimenta sua incapacidade realizada. Fé é infalível. Ciência é testemunha da fé. Então, você sempre comprova o que acredita.


09 | CLICANDO NA NOVA ERA

Não é uma nova era que irá produzir um novo homem, é um novo homem que irá produzir uma nova era. Um novo jardim não é produzido do jardim para flor. Jardim é efeito. Não é o jardim que faz as novas flores desabrocharem, é o desabrochar das novas flores que fazem surgir um novo jardim. Estamos no início de uma nova era porque estamos no início de um novo homem. Você está mudando de opção, por isso a nova era está se realizando. Pense na internet. Se você clica sempre no mesmo link, a realidade que você experimenta é sempre a mesma. Se você muda de opção, a realidade muda também. De forma análoga, é assim que você está cocriando uma nova era, clicando em uma nova opção, clicando em um novo jeito de viver, clicando no viver universalista.

PERGUNTAS E RESPOSTAS

Em breve

© 2018 · 1FICINA · Marcelo Ferrari