33 | JANELA DO ÓBVIO

19/09/2022 by in category Mayasang with 0 and 0

Meu apartamento ficava no décimo sétimo andar e Marcos, solidariamente, quando queria fumar, se deslocava até a janela. Às vezes ficávamos conversando alí enquanto os integrantes da sangha interagiam na sala. Certa vez, nossa conversa foi assim:

— Está vendo esses carros se movimentando pela rua?

— Sim, estou — Marcos respondeu.

— Percebe a sincronia?

— Como assim?

— Todos os carros estão se movimentando ao mesmo tempo.

— Sim, estão.

— E as nuvens também?

— Como assim?

— O movimento das nuvens está acontecendo ao mesmo tempo que o movimento dos carros.

— Sim, percebo.

— As pessoas andando na rua, também estão em sincronia. O movimento das pessoas está em sincronia com o movimento das nuvens e o movimento dos carros. Sensacional isso, não acha?

— Sim, mas onde você está querendo chegar com isso?

— Aqui, nessa conversa, que também é um movimento que está em sincronia com o movimento das pessoas, das nuvens e dos carros. Todos os movimentos acontecem em sincronia, percebe? Mas por que?

— Por que o quê?

— Por que todos os movimentos acontecem em sincronia?

Marcos ficou olhando os movimentos acontecendo feito uma orquestra tocando uma sinfonia. Só que não tinha partitura, nem maestro. Não havia nada regendo a sincronia. A sincronia dos movimentos era evidente, óbvia, inegável, mas o motivo, se houvesse, era nenhum.

— Não sei.

— Continue olhando que você verá o óbvio por si mesmo.

Enquanto Marcos olhava os diversos movimentos, eu lhe disse:

— Todos os movimentos acontecem em sincronia porque é um movimento só.

— Como assim?

— Não são vários movimentos em sincronia. Não tem sincronia nenhuma. É um movimento só, monobloco, que supomos múltiplo devido outra suposição.

— Que outra suposição?

— O espaço.

Marcos foi retornando o olhar para a sala do apartamento e caindo em si. Seu semblante era um misto de espanto e sorriso de Monalisa. Ninguém jamais seria capaz de retirar de Marcos o óbvio para o qual ele estava despertando, nem mesmo o próprio Marcos.

***Em homenagem a Marcos Tavares, grande amigo que faleceu em 2022

So Im lookin’ in the mirror I see the light, woven with the dark I am alive. The well of peace and the way to war are side by side, no where to run the time has come the truth we can’t deny…

There’s only one thing goin on, we all come from the heart of creation!

In the end not one can pretend that the blood in our veins is not the same. In the end not one can defend this lie of separation.

Então, estou olhando no espelho e vejo a luz tecida com a escuridão, eu estou vivo. O poço da paz e o caminho para a guerra estão lado a lado, não há para onde correr, a hora chegou para verdade que não podemos negar…

Há apenas uma coisa acontecendo, todos nós estamos emergindo do coração da criação!

No final, ninguém pode fingir que o sangue em nossas veias não é o mesmo. No final, ninguém pode defender a mentira da separação.

© 2023 • 1FICINA • Marcelo Ferrari