HONRE TER UM CÉREBRO

27/04/2020 by in category Textos with 0 and 0

Como você se sente e como lida com traições de amigos?

Fico triste. Acho ruim. Sobre como lido com isso, só sei na hora.

Dito isso, sua pergunta contém um equívoco que todo aluno de autociência comete no começo dos estudos, acreditar que existe receita de certo e errado, solução de bolo de caixinha para viver bem. Não existe. Tudo é circunstancial e uma circunstância nunca é igual a outra. Então, o que funciona numa circunstância pode não funcionar na outra, o que é melhor numa circunstância pode ser pior na outra, e assim por diante. 

Um ser humano lúcido nunca usa uma receita de bolo de caixinha para lidar com uma circunstância, usa o raciocínio. Ele olha para sua realidade com atenção, analisa e pensa na melhor maneira de lidar com aquela realidade. É isso que faço de instante em instante, circunstância após circunstância. É isso que faria para lidar com a traição de um amigo. É isso que sugiro que você faça. 

Você pode replicar: “Ah! Mas eu não tenho a mesma qualidade de raciocínio que você para lidar com minha realidade”. Sim, fato, cada um tem sua própria qualidade de raciocínio. A minha é diferente da sua, que é diferente do outro, etc. Cabe a cada um usar o próprio raciocínio para lidar com sua realidade. Um não tem como usar o raciocínio do outro. Mas você pode fazer do limão uma limonada.

Você pode e deve usar circunstâncias desagradáveis como oportunidades para exercitar e melhorar a qualidade do seu raciocínio. Quanto mais você exercita seu raciocínio, mais você desenvolve a qualidade dele, quanto mais desenvolve, melhor você opta, quanto melhor você opta, melhor você vive.

Resumindo: Honre ter um cérebro: pense!

© 2020 · 1FICINA · Marcelo Ferrari