História feliz e infeliz. São sempre extremos? Não há nuances?

25/05/2020 by in category Perguntas tagged as with 0 and 0

Quando você analisa sua história você pode fragmentá-la em quantas partes quiser para análises especificas. Casamento, trabalho, família, saúde, lazer, por exemplo. Você pode fragmentar inclusive uma parte em subpartes, por exemplo, alimentação matinal, alimentação diurna e alimentação noturna. Enfim, você pode fragmentar sua história do jeito que quiser e analisar com o critério de feliz ou infeliz. E você pode sim fazer uma escala de graus infinitos do extremo feliz ao extremo infeliz, ou seja, nuances. Claro que o resultado de um fragmento da sua história não é sua história inteira. Só que você esquece disso. E por quê? Vamos entender isso.

Imagine um lençol branco. Olhe para esse lençol. Você está vendo o lençol? Sim, você está. Agora coloque um pontinho preto de tinta no meio desse lençol. Olhe para esse lençol. Você ainda está vendo o lençol? Não está mais! Agora você só está vendo o pontinho preto. O lençol desapareceu!

PENSAMENTO SÓ VÊ PROBLEMA. Você nunca pensa no que está bem, só pensa no que está mal. Seu corpo está funcionando 99,999999% bem, com exceção de um fiapo de manga no seu dente. No que você pensa? Que você está respirando bem? Que seu coração está bem? Que seu pescoço está bem? Enfim, que 99,999999% está bem? Claro que não! Você pensa que ESTÁ INFELIZ porque tem um fiapo de manga no seu dente. É só nisso que você consegue pensar até tirar o infernal fiapo de manga do seu dente. E o resto da sua história? Não tem resto! Só tem a história de São Jorge contra o Dragão de Manga. PENSAMENTO SÓ VÊ PROBLEMA. É assim que pensamento funciona. E quem deve perceber que é assim e lidar bem com isso, é você, porque pensamento não percebe nada, pensamento é funcionário seu, apenas funciona.

© 2020 · 1FICINA · Marcelo Ferrari