LIVROS

*Os livros estão na ordem de leitura recomendada.


LIVROS EXTRAS

Babel

07/07/2021 by in category Filmes with 0 and 0

NINGUÉM SE ENTENDE
Análise autocientífica do filme Babel

Alguma vez você já pensou “ninguém me entende”? Claro que sim! E quando você pensou nisso, você estava se sentindo muito feliz, tipo: “Que bom! Que ótimo! Que felicidade! Ninguém me entende!”? Claro que não! E por que não? Porque você quer ser entendido.

Mas por que você quer ser entendido? Já se perguntou sobre isso?

Muitas pessoas vão a psicólogos, pagam caro, só para ter alguém que as escute e as entenda. Quando você está triste, você quer compartilhar sua tristeza, você quer ser entendido em sua tristeza. Quando você está feliz, você quer compartilhar sua felicidade, você quer ser entendido em sua felicidade. Por que? Qual é o desejo por trás do desejo de ser entendido.

O desejo por ser entendido é o desejo de existir para o outro.

Você existe para si mesmo sem necessidade de comunicação ou compartilhamento, mas para o outro, você só existe através da comunicação e do compartilhamento, pois para o outro, você é feito de conhecimento.

Quem é Elvis Presley para você? Do que ele é feito? Elvis Presley é feito de tudo que você conhece sobre Elvis Presley, as fotografias, os filmes, as músicas, as entrevistas e livros que você leu sobre ele, etc. Delete tudo isso. Quem é Elvis Presley? Você não sabe. Se não sabe, não existe.

Minha mãe era jovem no auge da fama dos Beatles e durante a ditadura militar no Brasil, mas para ela, os Beatles não existiam e a ditadura militar não aconteceu, pois ela morava em um sítio sem nenhum tipo de comunicação com as notícias da época.

É através da comunicação que você existe dentro do outro. É através da comunicação que o outro existe dentro de você. Por isso você quer se comunicar com o outro e ser entendido. Você quer existir dentro do outro.

Quanto mais o outro te conhece, mais você existe dentro do outro. Quanto mais você existe dentro do outro, melhor a convivência, pois não é possível conviver bem com o desconhecido, nem é possível sentir empatia pelo desconhecido.

Empatia é a capacidade humana de compreender o sentimento e o comportamento do outro imaginando-se nas mesmas circunstâncias. Ou seja, empatia é a capacidade humana de se colocar no lugar do outro.

Empatia é uma capacidade humana. Nenhum outro ser que conhecemos é capaz de ser empático. Mas por que só o ser humano tem empatia? Simples, porque só o ser humano tem imaginação.

É impossível se colocar de fato no lugar do outro, mas através da imaginação conseguimos tal feito. Através da imaginação nos colocamos imaginariamente no lugar do outro. Ao fazermos isso, sentimos o mesmo que o outro está sentindo, mesmo sem estarmos de fato sentindo o que o outro está sentindo.

Você já chorou lendo um livro ou vendo um filme?

Que emoção e sentimento tem em um livro e em um filme? Absolutamente nenhuma. Um livro é apenas um amontoado de letras e um filme é apenas um amontoado de imagens. Todas as emoções e sentimentos que você experimenta durante a leitura de um livro ou assistindo um filme são produzidas em você através da sua empatia com as informações recebidas.

Durante a leitura de um livro ou quando está assistindo um filme, você se imagina no lugar dos personagens, se empatiza com os personagens e por isso se emociona como se você fosse o personagem e estivesse vivenciando a experiência que o personagem está vivenciando.

Resumindo, para que a empatia aconteça, é necessário que você simule o ponto de vista do outro dentro de si. É isso que acontece quando você está lendo um livro, ou assistindo um filme, ou conversando com os outros.

É aí que entra a importância fundamental da comunicação para boa convivência. Deixe-me enfatizar o “fundamental”. A comunicação é mais do que importante para boa convivência, é fundamental. Vou explicar porque.

Para poder ter o ponto de vista do outro, você precisa entrar dentro do ponto de vista do outro. Só que isso é impossível. Ninguém consegue entrar dentro do ponto de vista do outro. Isso é da natureza da individualidade, cada indivíduo é um ponto de vista. Mas tem um jeito de você entrar no ponto de vista do outro mesmo sendo impossível fazer isso de fato. Sabe como?

Sim, através do diálogo.

Eis porque a comunicação, o diálogo e a conversa são fundamentais para uma boa convivência.

Sem diálogo não é possível conhecer o outro e entrar dentro do ponto de vista do outro.

Sem conhecer o outro, não é possível ter empatia, ou seja, se colocar no lugar do outro.

Sem empatia, não é possível boa convivência.

O filme Babel é um exemplo de má convivência, que resulta da falta de empatia, que resulta da falta de conhecimento do outro, que resulta da falta de diálogo. Todas as quatro histórias mostram isso, em vários níveis e várias circunstâncias. Provavelmente por isso o filme se chama Babel, fazendo referência a Torre de Babel.

Por fim, outro ponto que o filme Babel mostra, é que é muito importante dialogar buscando conhecer o outro e se colocando no lugar do outro, mas de nada adianta tentar entender o outro sem entender a si mesmo primeiro.

Quando você não se entende, quando não entende o que está acontecendo com você, como você pode entender o que está acontecendo com o outro?

Como você vai entender a aflição do outro, se você não entende a sua aflição? Como você vai entender a angústia do outro se você não entende a sua angústia? Como você vai entender o medo do outro se você não entende o seu medo? Como você vai entender o sofrimento do outro se você não entende o seu sofrimento? Como você vai entender a alegria do outro se você não entende a sua alegria?

A origem da nossa Torre de Babel coletiva é que ninguém se entende. Somos seres ignorantes de nós mesmos. Não nos conhecemos e não nos entendemos, por isso, mesmo quando dialogamos com os outros, não os entendemos.

Então, mais fundamental do que conhecer e entender o outro, é conhecer e entender a si mesmo. Autoconhecimento primeiro, senão, mesmo havendo diálogo, não há entendimento, sem entendimento não há empatia, sem empatia não há boa convivência.

Para produção de autoconhecimento só tem um caminho: praticar autociência. Eis a solução para torre de babel.

© 2021 · 1FICINA · Marcelo Ferrari