8 BILHÕES DE NENÉNS

16/05/2020 by in category Textos with 0 and 0

Quando leio e entendo uma explicação da 1ficina, percebo que era óbvio, que estava a um palmo do meu nariz, mas não conseguia ver. Por que isso?

O primeiro motivo é a forma como se pratica ciência. A eureka científica é uma inferência causal. O que é inferência? Inferir é concluir, deduzir. Então, praticar ciência é praticar ficar consciente da causa através do efeito. Você citou Newton e a lei da gravidade. Esse é um exemplo clássico de eureka científica. Conta a história que Newton cochilava debaixo de uma macieira quando uma maçã caiu e atingiu sua cabeça. Um acontecimento trivial, mas que, justamente pela trivialidade, acabou levando o cientista a ter uma eureka revolucionária: a lei da gravidade. E o que é a lei da gravidade? É uma conclusão, uma dedução, uma inferência causal pensada pela cabeça de Newton a partir da observação de um efeito: a queda dos corpos.

Inferir é uma capacidade humana que envolve observar um efeito e raciocinar a causa. Só que capacidade não é competência. Nenéns, por exemplo, são seres humanos, possuem a capacidade de inferir, mas não são capazes de fazer inferências complexas, porque ainda não desenvolveram a competência em raciocinar. Competência é capacidade desenvolvida. Todo ser humano nasce com capacidade de raciocinar, mas só aqueles que praticam essa capacidade a desenvolvem. Dito isso, o fato é que ninguém gosta de pensar. Resultado, são 8 bilhões de seres humanos adultos com a mesma competência de raciocínio de um neném.

Pensar é uma atividade que requer esforço assim como levantar peso na academia. Então, assim como é mais fácil e confortável ficar no sofá, comendo batata frita e assistindo televisão do que ir até a academia fazer exercício, também é mais fácil e confortável acreditar no que lhe ensinam do que pensar e descobrir por si mesmo. Pensar cansa. E em verdade, em verdade, vos digo: você é um preguiçoso mental, você tem preguiça de pensar.

Claro que somado a sua preguiça mental está a falta de incentivo. Você nunca é incentivado a pensar, só é incentivado a acreditar. Seus pais lhe incentivam a acreditar neles e lhe punem quando você pensa por si mesmo, seus amigos fazem o mesmo, seus professores fazem o mesmo, sua sociedade faz o mesmo, as religiões fazem o mesmo, e assim por diante. Ou seja, como se não fosse desafiador e desagradável suficiente vencer a própria preguiça mental para pensar por si mesmo, você ainda precisa estar disposto a levar porrada de tudo e de todos.

Eis um dos motivos de você não perceber o que está na frente do seu nariz: preguiça de pensar e medo de apanhar por pensar diferente. Só que até agora estive falando de ciência, no caso da AUTOciência, tem um segundo motivo. Ciência é observar e pensar o funcionamento da natureza, ou seja, observar e pensar o funcionamento do outro, por exemplo: observar e pensar a queda da maçã. AUTOciência é observar e pensar o funcionamento do observador da natureza, ou seja, observar e pensar o próprio funcionamento, por exemplo: observar e pensar o pensamento. Daí que a falta de competência é total.

O ser humano tem a capacidade de autoobservação e autoanálise, mas sua competência nessa capacidade é zero. São 8 bilhões de nenéns em autociência. Tanto é assim que a palavra AUTOCIÊNCIA sequer existia na internet antes da 1ficina. Tive que inventar essa palavra para poder explicar qual é a prática que torna possível ver o que está na frente do nariz. E como praticá-la.

Eis então os dois motivos pelo qual você não vê o que está na frente do seu nariz. Só que você não está condenado a viver igual neném. Você pode praticar sua capacidade de pensar e se tornar um pensador competente. Você pode praticar sua capacidade de autoobservação e autoanálise e se tornar um autocientista competente. Basta decidir por isso e começar. Mas você também pode continuar praticando a preguiça mental, a dependência mental e a birra (resistência), igual um neném. Você não tem obrigação de praticar autociência e se tornar competente em ser humano (adulto). É apenas uma opção. Você decide o que é melhor para você.

© 2020 · 1FICINA · Marcelo Ferrari