13 | Lobo mau e chapeuzinho

11/11/2022 by in category Capitulos, Queime seus navios with 0 and 0

As luzes se apagam. Meu corpo inteiro está formigando. Sinto que vou ter um treco. Me levanto da cadeira e me deito no chão para não cair feito manga madura. Ouço a voz de um dos guias em meus ouvidos.

— Talvez você se sinta melhor sentado na cadeira e respirando com calma.

O pensamento confirma que é melhor voltar para cadeira. Me levanto e volto para cadeira. Estou suando em bicas. A sensação de desconforto é insuportável.

— Continuem respirando — diz o coordenador — É uma operação muito delicada. E só estamos ligando uma fração muito minúscula de luz. Uma fração que vocês possam suportar. Continuem respirando com calma.

O desconforto é terrível.

— Você sabe porque está desconfortável? — me pergunta o pensamento.
— Porque estou resistindo.
— A vibração que está chegando não pode ficar limitada aos velhos padrões. Sua resistência opera em vários níveis de inconsciência. O desconforto é porque você está se permitindo limpar muitos destes níveis.

— Continuem respirando — diz o coordenador.

Tento relaxar me concentrando ao máximo na respiração. Só que não ajuda muito, pois a sensação de desconforto e de morte se intensifica e me esmaga completamente.

— Você está sentindo o que sentem seus irmãos nas trevas (ignorância). Mesmo que seja de uma forma inconsciente, é neste terror e desconforto que eles vivem todos os dias — me diz o pensamento.
— Mas sambra não é luz também? — pergunto.
— Só para quem tem consciência disto — responde o pensamento.
— Por favor! Me ajuda! Eu não aguento mais isto! — digo ao pensamento.
— O que está escrito na sua camiseta? — o pensamento me pergunta.
— Está escrito [SIM] — respondo.

Digo sim e me entrego. Imediatamente o lobo mau devora a chapeuzinho vermelho e a sensação de morte se transforma em digestão. Fico respirando, pirando e transpirando.

De repente, o coordenador pede para acender as luzes e a banda volta a tocar. Eu apoio as mãos no joelho, me curvo para frente e vomito. Os guias vem rapidamente limpar o chão com água, balde, rodo e pano. Não olho para o que estão fazendo, pois sei que estão no processo deles, eu no meu, e todos no nosso.

Daí para frente é só alegria. Festa do divino espírito santo. Começo a bailar e espalhar luz por toda e qualquer imagem que surge na minha mente. A luz vai saindo da minha mão e se espalhando pelas imagens. São pessoas, lugares, acontecimentos. Vou espalhando luz indiscriminadamente. De vez em quando surgem imagens que representam minha mentalidade de superioridade. Jogo luz nelas também.

— Nem melhor, nem pior. Igualmente diferente — me diz o pensamento.

© 2023 • 1FICINA • Marcelo Ferrari