VERDADE SOBRE A MENTIRA

Quem você não é

Livro da 1ficina | Marcelo Ferrari

01 | AUTOCONHECIMENTO DE MENTIRA

É impossível viver bem sem autoconhecimento. Ignorância é sempre o que impossibilita você de fazer bem qualquer coisa. Como em última análise, a única coisa que você faz, é viver, eis porque é impossível viver bem sem autoconhecimento. Ótimo! Beleza! Resolvido! Basta você descobrir quem você é, basta autoconhecimento, e adeus mal viver! Eis a lógica amplamente difundida desde a máxima “Conhece-te a ti mesmo”, grafada no templo de Apolo. Só que tem um detalhe mínimo nessa máxima que é amplamente ignorado. Qual? Autoconhecimento não é você saber quem você é, autoconhecimento é você saber quem você não é.


02 | VERDADE SOBRE A MENTIRA

Assim como é impossível ver a luz, também é impossível você saber quem você é. Quando você acende a luz, você não vê a luz que você acendeu, você vê o efeito, que é a diminuição da escuridão. Quanto mais você aumenta a intensidade da luz, menos escuridão você vê, pois o aumento da luz causa um efeito que é a diminuição da escuridão. Analogamente, quanto mais você aumenta sua intensidade em viver sendo você de verdade, menos você vive sendo você de mentira. Porém, você jamais sabe quem é você de verdade. Você jamais saberá. O que você pode fazer, se tem interesse em andar bem por uma casa escura, é jogar luz na escuridão da casa. O que você pode fazer, se tem interesse em viver bem, é jogar consciência em você de mentira, ou seja, saber quem você não é.


03 | CAUSA DA MENTIRA

É impossível você saber quem você é, mas é totalmente possível você ser quem você é, mesmo sem saber. É isso que acontece com todos os seres. Galinha não precisa saber quem é para ser galinha, gato não precisa saber quem é para ser gato, vaca não precisa saber quem é para ser vaca, abacateiro não precisa saber quem é para ser abacateiro, sol não precisa saber quem é para ser sol, fogo não precisa saber quem é para ser fogo, água não precisa saber quem é para ser água, e assim por diante. Você também não precisa. Mas se não precisa, por que você não é? Espontaneamente? Naturalmente? É por isso que autoconhecimento é saber quem você não é. Galinha vive sendo galinha, gato vive sendo gato, vaca vive sendo vaca, abacateiro vive sendo abacateiro, sol vive sendo sol, fogo vive sendo fogo, água vive sendo água, porém, você, ser da única raça inteligente do planeta, vive sendo o que não é, vive fingindo ser outro. Por que? Você investigando a si mesmo para descobrir a causa da sua mentira, eis a prática do autoconhecimento.


04 | MENTIRA HORIZONTAL

Você pensa assim: “Vou dedicar cada dia da minha vida a descobrir quem sou eu, e daí, quando descobrir, eu serei eu e viverei bem”. Acreditar nisso é como acreditar que a felicidade está na linha do horizonte, você anda, anda, anda, não chega nunca, morre infeliz, mas acreditando que a causa da sua infelicidade, é que você morreu antes de chegar na linha do horizonte. Assim como é impossível chegar na linha do horizonte, também é impossível você saber quem você é. A crença de que horizonte é um lugar, é só uma crença, e uma crença equivocada. A crença de que autoconhecimento é saber quem você é, também é só uma crença, e também é um equívoco. Mas assim como você é livre para acreditar, que no dia que você chegar na linha do horizonte, você será feliz, você também é livre para acreditar, que no dia que você souber quem você é, você finalmente será você e viverá bem.


05 | VIVER DE MENTIRA

Imagine uma galinha que decida viver miando, um gato que decida viver cacarejando, e um abacateiro que decida viver produzindo goiabas. Você acha que é um bom jeito deles viverem? Analogamente, imagine que você decida viver sendo o que seus pais querem que você seja, o que a sociedade quer que você seja, o que seus amigos querem que você seja, o que seu marido quer que você seja, o que o bispo quer que você seja, o que o comercial da Skol, da Avon, da Brastemp e das Casas Bahia querem que você seja. Você acha que é um bom jeito de você viver? Claro que não! Agora, imagine uma galinha que decida viver cacarejando, um gato que decida viver miando, e um abacateiro que decida viver produzindo abacates. Você acha que é um bom jeito deles viverem? Por fim, imagine que você decida viver sendo você. Você acha que é um bom jeito de você viver? Claro que sim! Então, qual é o melhor jeito de viver? Vou conjugar todas as possibilidades para não ficar nenhuma dúvida:

O melhor jeito de eu viver, é eu sendo eu.
O melhor jeito de você viver, é você sendo você.
O melhor jeito dele viver, é ele sendo ele.
O melhor jeito de nós vivermos, é nós sendo nós.
O melhor jeito de vós viverem, é vós sendo vós.
O melhor jeito deles viverem, é eles sendo eles.

Ou seja, o melhor jeito de viver, é viver de verdade.
E o pior jeito de viver, é viver de mentira.


06 | VOCÊ DE MENTIRA

Quando você vive sendo o que o outro quer que você seja, você está sendo você de mentira. O problema em você viver sendo você de mentira, não é que mentira é pecado, ou errado, ou anti-ético, ou imoral, ou desonroso, etc, o problema é que viver mentindo é trabalhoso, exaustivo e estressante. E quanto maior a mentira, mais trabalhoso, exaustivo e estressante. Mentira não se sustenta por si só. Mentira requer constante esforço para permanecer parecendo verdade. Mentira é igual segurar pedra na mão. Toda pedra quer voltar para o chão. Lugar de pedra é no chão. Uma pedra só permanece em sua mão, enquanto você permanece impedindo que volte para o chão. Analogamente, você só permanece sendo você de mentira, enquanto está se impedindo de ser espontâneo. Ora, se segurar uma pedra o dia inteiro já é trabalhoso, exaustivo e estressante, muito mais trabalhoso, exaustivo e estressante, é você segurar você de mentira sua vida inteira. Você não aguenta, nem merece, nem precisa.


07 | ESCOLA DA MENTIRA

Basta você desistir de viver sendo você de mentira e tudo resolvido! É simples assim. Mas tem um detalhe entre seu arbítrio e seu jeito de viver. A educação. Assim que você nasce, você já começa a ser educado para ser outro, ou seja, viver sendo você de mentira. Não apenas na escola, em todo lugar. Ninguém tem interesse que você seja você. O outro sempre quer que você seja igual a ele, ou seja, o outro sempre quer que você seja outro. Seu pai quer que você seja outro. Sua mãe quer que você seja outro. Sua esposa quer que você seja outro. Seu marido quer que você seja outro. Seus filhos querem que você seja outro. Seus amigos querem que você seja outro. Seus professores querem que você seja outro. A sociedade quer que você seja outro. O padre quer que você seja outro. E, segundo a bíblia, até deus quer que você seja outro. Ora, sendo que o universo inteiro, e até o criador do universo, quer que você seja outro, quem é você para ser você? De onde vem essa arrogância suprema de desistir de toda expectativa e recalque alheio projetado sobre você? É pensando assim que você passa a acreditar que tem alguma coisa errada com você, e começa a viver sendo você de mentira.


08 | SUICÍDIO DO SER

Você acredita que se você viver sendo você, o outro vai te rejeitar, te excluir, te odiar, te crucificar, enfim, te matar (metafóricamente falando). A menos que esse outro seja um repolho, uma melancia, uma parede, um bicho, enfim, algo não humano, você está certo, muito provavelmente o outro vai te matar (metafóricamente falando). Mas então, para evitar que o outro te mate, o que você faz? Você se suicida (metafóricamente falando). Ou seja, você mesmo se mata, fingindo ser outro, fingindo ser o que você não é. Se você quer viver de verdade, se quer viver bem, não é se suicidando que se vive.


09 | CONVIVÊNCIA DE MENTIRA

Você não convive com os outros de verdade. Como pode haver convivência de verdade entre dois fingidores? O que pode haver entre fingidores é fingimento. Você e o outro não foram ao cartório oficializar a farsa, mas vocês têm um contrato. Por isso o outro lhe maltrata e você maltrata o outro. É para vocês se lembrarem do contrato. Maltratar é um ao outro é uma forma de dizer: “Não seja você, minta, disfarce, use maquiagem, finja ser outro”. Relacionamento deste tipo funciona feito jogo de xadrez, não há lugar para espontaneidade. Cada movimento precisa passar por rigorosa análise do-que-dirão antes de vir ao tabuleiro. É muito sofrido conviver assim. Ninguém aguenta. Por isso você deseja rasgar o contrato. O outro também deseja rasgar o contrato. Só que ninguém toma iniciativa. Fica um esperando o outro parar de mentir, que fica esperando o outro parar de mentir, que fica esperando o outro parar de mentir, e é assim que cada um ajuda a manter o que todos desejam que acabe.


10 | DESISTA DA MENTIRA

Um alpinista estava escalando uma montanha durante a noite. De repente, ele escorregou e começou a cair. Foi caindo, caindo, até que sentiu um puxão. Por precaução, ele havia amarrado uma corda de segurança na cintura e foi salvo pela corda. Porém, ficou pendurado no vazio, no escuro e num frio congelante. Passado algum tempo, desesperado, quase morrendo de frio, o alpinista começou a gritar:

— Socorro! Alguém me ajude!
— Solte a corda!
— Quem está falando? — Perguntou o alpinista.
— Você quer se salvar ou não?
— Sim, quero!
— Então, solte a corda.
— Não! Preciso de ajuda!
— Isto mesmo! Solte a corda!
— Não! Ajuda para sair daqui! Me ajude!
— Estou tentando! Solte a corda!
— Não mesmo! Nem fodendo solto essa corda!
— Você quer se salvar ou não?
— Sim, quero!
— Então, solte a corda.

No dia seguinte, a equipe de resgate encontrou o alpinista congelado e morto, pendurado numa corda de segurança, a meio metro do chão. O alpinista é você. A corda de segurança é você de mentira. Sua persistência em se manter agarrado a corda, é sua crença de que o melhor jeito de viver é sendo você de mentira. Soltar a corda é a solução para o alpinista continuar vivo. Desistir de viver sendo você de mentira é a solução para você viver de verdade.


11 | VIVER DE VERDADE

Você é você. Mas você não vive sendo você. Você vive sendo você de mentira. É triste, é sofrido, mas é fato. Essa é a má notícia. A boa notícia é que você não precisa continuar vivendo assim. Você pode viver consciente das suas mentiras, e consequentemente, desistir delas e viver de verdade. A prática para você viver consciente das suas mentiras é a auto-observação. Boa prática!

© 2017 · 1FICINA · Marcelo Ferrari