EUSPELHO

Realidade é terapia

Livro da 1ficina | Marcelo Ferrari

01 | CAOS E REFLEXO

Reflexo é o principio universal que possibilita e organiza a brincadeira de criação de realidade. O oposto de reflexo é caos. Caos é a ideia de realidade sem criador, forma sem fôrma, produto sem fábrica. Caos é também a ideia de que a realidade que você experimenta não tem nenhuma relação com você. Então, caos é ideia de que você é vítima da sua realidade, ao invés de criador dela. Caos é um equívoco. Realidade é reflexo do criador. Sua realidade é EUspelho, ou seja, reflexo seu. O livro Fábrica da Realidade explica como cada um idealiza, realiza e experimenta sua própria realidade. Este livro é para explicar como podemos usar a realidade que já estamos experimentando para fazer o caminho reverso e obter autoconhecimento.


02 | VÍTIMA OU AUTOR?

A realidade que você experimenta é sua história, então, antes de praticar autoconhecimento, você deve se perguntar e se responder com sinceridade: QUEM ESTÁ CRIANDO MINHA HISTÓRIA? Se sua resposta for qualquer resposta diferente de “Eu sou o criador da minha história”, você deve abandonar a prática do autoconhecimento, pois como você pode tomar consciência da razão de ser da sua história, se você não é o criador da sua história, se você é apenas vítima? Você deve abandonar também qualquer tentativa de viver bem, pois como alterar uma realidade da qual você não é a causa? Impossível.


03 | OLHAR PARA FORA

Autoconhecimento é você olhar para fora. Isto mesmo! Para fora! Porém, ciente de que olhar para fora é olhar para dentro. Como assim? Você é a fábrica da sua realidade, ou seja, autor da sua história. Então, nada em sua história é aleatório, caótico ou injusto. Tudo é reflexo. Reflexo não é justo, nem injusto, reflexo é justiça. Reflexo é o que garante que a imagem no espelho seja justamente a mesma de quem está olhando para ele. Reflexo é o que possibilita e mantém funcionando a brincadeira de imagem e semelhança. É por isto que autoconhecimento é você olhar para fora. É através do que você vê do “lado de fora” que você toma consciência do que está acontecendo do “lado de dentro”. Espelho não mente, reflete. Realidade também não mente, reflete. Sua história externa é reflexo de sua história interna. O que você vê do “lado de fora” é seu “lado de dentro” espelhado.


04 | IMAGEM SEM SEMELHANÇA

A história externa que você experimenta é imagem e semelhança do seu funcionamento interno. Assim, quando você está funcionando bem internamente, sua história externa reflete isto, é imagem e semelhança. Quando você está funcionando mal internamente, sua história externa também reflete isto, é imagem SEM semelhança.


05 | HISTÓRIA TERAPÊUTICA

Quando você está funcionando mal internamente, você inicia um processo de reajuste, ou seja, um processo de cura. Como você faz isto? Você produz uma história terapêutica para que você possa tomar consciência das mentalidades desajustadas, e assim efetuar o reajuste. Durante uma história terapêutica, tudo que você experimenta é processo de cura. Durante uma história terapêutica, o que você chama de pai, mãe, marido, esposa, irmãos, filhos, família, etc, é apenas o cenário do seu processo de cura. O que você chama de sociedade, cultura, cidade, religião, profissão, economia, politica, comercio, governo, filosofia, etc, é apenas o cenário do seu processo de cura. O que você chama de comida, transito, conversa, trabalho, férias, ônibus, gripe, é apenas o cenário do seu processo de cura. Enfim, nada do que você experimenta durante uma história terapêutica, tem outro propósito, senão servir de cenário para autoconhecimento e cura.


06 | SINTOMA

Como você pode saber se você está se dando uma história terapêutica? Observando a qualidade do seu viver. Se você está vivendo mal, então, sim, você está em imagem SEM semelhança, e está se dando uma história terapêutica.


07 | DOENÇA DO EQUÍVOCO

Tudo que você experimenta durante uma história terapêutica tem o propósito de lhe servir como processo de cura. Mas cura do que? Qual é sua doença? Sua doença é a DOENÇA DO EQUÍVOCO. São dois equívocos:

OUTROÍSMO SUBMISSO – Equívoco de acreditar que o outro tem competência em saber, querer e optar por você.
OUTROÍSMO IMPOSITIVO – Equívoco de acreditar que você tem competência em saber, querer e optar pelo outro.


08 | MEDICINA DO ÓBVIO

Sendo que sua doença é um equívoco, só existe uma medicina capaz de curá-la: consciência. Imagine que você estivesse de olhos fechados e eu lhe pedisse para ajustar os ponteiros de um relógio. Seria um problema, não seria? Como você poderia resolver facilmente este problema? Abrindo os olhos. Só existe um jeito de resolver qualquer problema, porque só existe um problema a ser resolvido: ignorância. Por isto que a medicina para curar equívocos é a medicina do óbvio.


09 | CEBOLA DE EQUÍVOCOS

Durante uma história terapêutica você experimenta muito sofrimento, e tenta resolver seu sofrimento atuando sobre sua realidade. Isto é outro equívoco. É equívoco dentro do equívoco. O primeiro equívoco é que sua realidade é apenas reflexo do seu desajuste, é efeito, não é causa. O segundo equívoco é que seu sofrimento não vem da realidade que você está experimentando, mas de você mesmo. Seu sofrimento é tipo uma febre que lhe informa que você está doente, mas a febre não é a doença. Tentar curar um equívoco cometendo outro equívoco, só perpetua seu sofrimento. Por isto você fracassa repetidamente. Porém, quanto mais fracassa, mais sofre, e quanto mais sofre, mais insiste no equívoco. É assim que você vai se aprisionando dentro de uma cebola de equívocos.


10 | DESCASCANDO A CEBOLA

Numa história terapêutica sua realidade é produto da sua cebola de equívocos. Assim, para que você possa fazer bom uso da sua história terapêutica e obter cura, você deve descascar sua realidade até que seus equívocos fiquem óbvios, evidentes, conscientes para você. Descascar a realidade é descobrir a história que cada camada da sua história terapêutica tem para te contar. Descascar a realidade é olhar para realidade como um espelho, para obter autoconhecimento e cura.


11 | HISTÓRIA AO VIVO

Você é três: Idealizador, Realizador e Experimentador da sua realidade. Idealizador significa que você é autor da sua história. Realizador significa que você é escritor da sua história. Experimentador significa que você é leitor da sua história. O que você chama de MINHA VIDA é você idealizando, realizando e lendo sua história em tempo real (ao vivo).


12 | QUATERNÁRIO HUMANO

Sua história é única, porém, assim como as diferentes músicas são feitas das mesmas sete notas, as diferentes histórias humanas são variações de apenas quatro temas. Todas as histórias humanas tem apenas quatro histórias para contar.


13 | PRINCÍPIO DA INCERTEZA

Incerteza não é ausência de certeza, é multiplicidade de certezas. A função da incerteza é lhe dar liberdade criativa na produção de entendimento. É devido ao princípio da incerteza que você pode criar seu próprio critério de entendimento (verdadeiro e falso) e também alterá-lo. Numa história terapêutica de INCERTEZA, você cria e experimenta realidades de REPROVAÇÃO de suas certezas para tomar consciência do seu outroismo racional.


14 | PRINCÍPIO DA INSIGNIFICÂNCIA

Insignificância não é ausência de valor, é multiplicidade de valores. A função da insignificância é lher dar liberdade criativa na produção de valores. É devido ao princípio da insignificância que você pode criar seu próprio critério de valor (caro e nulo) e também altera-lo. Numa história terapêutica de INSIGNIFICÂNCIA, você cria e experimenta realidades de DESPREZO dos seus valores para tomar consciência do seu outroismo afetivo.


15 | PRINCÍPIO DA INSATISFAÇÃO

Insatisfação não é ausência de satisfação, é multiplicidade de satisfações. A função da insatisfação é lhe dar liberdade criativa na produção de gostos. É devido ao princípio da insatisfação que você pode criar seu próprio critério de gosto (bom e ruim) e também altera-lo. Numa história terapêutica de INSATISFAÇÃO, você cria e experimenta realidades de PRIVAÇÃO da sua satisfação para tomar consciência do seu outroismo sensorial.


16 | PRINCÍPIO DA IMPERMANÊNCIA

Impermanência não é ausência de permanência, é multiplicidade de estados. A função da impermanência é lhe dar liberdade criativa na produção de estados. É devido ao princípio da impermanência que você pode criar seu próprio critério de estados (bem e mal) e também altera-lo. Numa história terapêutica de IMPERMANÊNCIA, você cria e experimenta realidades de PREJUÍZO do seu benefício para tomar consciência do seu outroismo físico.


17 | PERGUNTA REVELADORA

Para descascar uma realidade, você deve se perguntar: QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?

Vou usar um exemplo. Para fins de estudo, assuma que a história a seguir é sua:

HISTÓRIA FACTUAL: Sua esposa/marido convida você para correr no parque com a turma do bairro. A corrida começa as 6 da manhã. Sua esposa/marido lhe pergunta se você aceita ir, e você aceita. Ela/ele diz que vai programar o despertador, mas se estiver chovendo não haverá corrida. Você começa a pensar: “Tomára que chova!”

Para descascar essa realidade, você deve se perguntar assim:

Por que estou pensando: “Tomára que chova!”?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Se chover não tem corrida.

E daí que se chover não tem corrida?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Daí, eu posso dormir até tarde.

E daí que posso dormir até tarde?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Eu desejo o prazer de dormir até tarde.

E o que me impede de realizar meu desejo de dormir até tarde?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
O que me impede e que concordei em ir.

Mas se desejo dormir, porque concordei?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Eu concordei para agradar o outro.

Por que estou tentando agradar o outro?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Não quero que o outro se sinta desagradado com minha opção.

Por que não quero que o outro se sinta desagradado com minha opção?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Quero que o outro fique contente com minha opção.

Por que quero que o outro fique contente com minha opção?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Não quero que o outro me rejeite, me despreze.

Por que não quero que o outro me rejeite, me despreze?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Quero que o outro me ame.

Por que quero que o outro me ame?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Quero amor, apreço, aceitação.

Para ter amor, apreço, aceitação, o que estou fazendo comigo?
QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TEM PARA ME CONTAR?
Estou me desprezando e desvalorizando meu próprio desejo de dormir.

Voltando ao começo. QUE HISTÓRIA ESTA HISTÓRIA TODA TEM PARA ME CONTAR?

Que estou sendo outroista duas vezes (afetivo e sensorial). Sensorial, pois estou responsabilizando a chuva pela realização do meu prazer de dormir até tarde, e afetivo, pois estou responsabilizando minha esposa/marido pela realização do meu desejo de afeto (apreço).


18 | AUTOCURA

Descobrir a história que sua história tem para te contar é praticar autoconhecimento. Quanto mais você pratica, mais eficiência e rapidez adquire no processo de descoberta. Boa prática!

© 2017 · 1FICINA · Marcelo Ferrari